Vídeo: Adolescente é empurrado de ponte por policial durante protesto, no Chile

Rapaz de 16 anos participava de ato pedindo nova constituição e outras reformas no Chile. ─ Imagem: Divulgação

A violenta repressão da polícia do Chile aos protestos de rua, que já deixou dezenas de pessoas cegas desde o ano passado, produziu nesta sexta-feira (2/10) uma nova imagem que correu mundo: um membro dos Carabineros, a polícia ostensiva chilena, empurrando um manifestante de 16 anos do alto da ponte Pío Nono sobre o leito do rio Mapocho, na capital Santiago.

O adolescente, identificado como Anthony Araya, participava de uma manifestação nos arredores da praça Baquedano, a duas semanas do aniversário da “explosão social”, a onda de protestos contra a desigualdade social e por melhores condições de vida que tomou conta do país a partir de 18 de outubro. No dia 25, os chilenos participam de um plebiscito em que vão decidir se aprovam a implantação de uma nova Constituição para substituir a atual, imposta pelo ditador Augusto Pinochet.

Junto com outros manifestantes, o adolescente corria dos Carabineros quando foi empurrado por um deles. Os policiais ignoraram o jovem, que acabou socorrido por bombeiros. Com fraturas no crânio e nos punhos, foi hospitalizado na Clínica Santa María e não corre risco de vida, segundo a imprensa chilena.

Os Carabineros inicialmente tentaram negar o crime. “Por nenhum motivo os Carabineros jogaram essa pessoa no rio”, declarou o tenente coronel Rodrigo Soto. Depois que o vídeo com as imagens da queda foram revelados pela rede de TV Telesur e viralizaram nas redes sociais, o mesmo oficial chamou a ação de “lamentável acidente”, que “foi produzido em um contexto intenso de detenção de pessoas que causavam desordens”.

Na tarde de sábado (3), o Ministério Público chileno anunciou a detenção do policial acusado de empurrar o adolescente, que vai responder pelo crime de tentativa de homicídio. O Instituto Nacional de Direitos Humanos, entidade autônoma ligada ao governo federal, anunciou uma representação contra o policial. “Quantas tragédias mais como essa é necessário que ocorram no Chile para que de uma vez por todas se faça a reforma integral e profunda dos Carabineros?”, perguntou Sergio Mico, diretor do Instituto.

O crime levou os políticos de oposição chilenos a voltar a pedir a renúncia de Mario Rozas, comandante dos Carabineros. Ele já estava na mira da oposição por conta das violências praticadas pelo governo do presidente Sebastián Piñera contra os manifestantes desde o ano passado.

(PONTE)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here