Vice-governador pode ter usado escritório de advocacia para combinar propina, segundo PF

Vice Carlos Almeida

A Polícia Federal (PF) suspeita no inquérito da segunda fase da Operação Sangria, deflagrada do dia 8 deste mês, que o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, usava um escritório de advocacia para combinar propina. A Rede Amazônica teve acesso com exclusividade a indícios e provas que levaram à prisão de cinco pessoas.

Para a investigação, a cúpula do Governo do Amazonas sabia da compra superfaturada e sem licitação dos 28 respiradores de uma loja de vinhos, em maio, quando estado passou pelo pico da pandemia. Até esta sexta-feira (16), mais de 4,3 mil pessoas morreram no estado com a Covid-19.

Segundo a PF, os encontros do vice-governador aconteceram em um escritório de advocacia em um prédio comercial no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul. As reuniões aconteceram em maio.

Imagens de câmeras de segurança do edifício mostram Carlos Almeida chegando para uma reunião. Em outra gravação, ele sai do edifício com uma mochila nas costas.

A PF também constatou pelas câmeras que a secretária do gabinete do governador Wilson Lima, Lucia Carla Gama, comparece para um encontro. Ela chega com bolsa e depois da reunião, vai embora com as mãos vazias.

Os encontros foram registrados no livro de visitantes do prédio. Nele, também aparece o nome da deputada estadual Alessandra Campelo.

Conforme a Polícia Federal, a situação chamou atenção já que as reuniões aconteceram em um prédio comercial, e não no gabinete do vice-governador. A suspeita da investigação é que os encontros serviram para acertos de propina.

*A reportagem completa em G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here