Susam e FHemoam intensificam cursos de atualização sobre Triagem Neonatal

“Esta atividade é importante para manter os profissionais atualizados sobre o tema", afirmou Wilson Alecrim
“Esta atividade é importante para manter os profissionais atualizados sobre o tema", afirmou Wilson Alecrim
“Esta atividade é importante para manter os profissionais atualizados sobre o tema”, afirmou o secretário Wilson Alecrim

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam), por meio da Coordenação Estadual de Triagem Neonatal, está realizando uma programação de videoconferências e palestras, voltada para profissionais da Atenção Básica, da capital e do interior do Estado, sobre Triagem Neonatal (mais conhecida como Teste do Pezinho).   A atividade está sendo desenvolvida em parceria com a Coordenação Laboratorial da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (FHemoam), que á referência para análise e diagnóstico do teste, para todo o Estado do Amazonas.

“Esta atividade é importante para manter os profissionais atualizados sobre o tema e, principalmente, para reforçar o protocolo que deve ser adotado na fase de coleta das amostras para o exame, a fim de assegurar a eficiência do processo”, destacou o secretário estadual de Saúde, Wilson Alecrim. As videoconferências também integram a programação do Programa de Educação em Saúde da Criança (Telepesc), executado pela Susam em parceria com o Polo de Telemedicina da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e a Secretaria de Estado da Educação (Seduc).

Na última terça-feira, 70 profissionais de 9 municípios (Autazes, Manacapuru, Itacoatiara, Coari, Beruri, Urucará, Envira, Barreirinha e Manicoré), participaram de uma videoconferência sobre o tema, ministrada a partir de Manaus pela Coordenação de Triagem Neonatal e Coordenação de Laboratórios da FHemoam. “Apresentamos um balanço do programa na Atenção Básica e reforçamos todas as orientações sobre os procedimentos de coleta, incluindo os prazos conforme os indicadores, que devem ser observados, armazenamento e transporte das amostras, entre outros aspectos”, disse a enfermeira Rosiane da Silva Pantoja, coordenadora estadual de Triagem Neonatal. Pela FHemoam, as orientações foram repassadas pela bioquímica-farmacêutica Líllian Wallace Moreira.

Desde o ano passado o Amazonas está credenciado e habilitado junto ao Ministério da Saúde para todas as fases do Programa Nacional de Triagem Neonatal. Desta forma, tem capacidade para realizar o teste identificando vários tipos de doenças congênitas, como a fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, doenças falciformes e outras hemoglobinopatias, fibrose cística, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase.

A próxima atividade de atualização está agendada para o dia 8 de abril e vai alcançar profissionais que atuam nas Unidades Básicas de Saúde do Distrito de Saúde (Disa) Leste, da capital. Realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), a atividade vai acontecer no auditório do Cemejo, no São José 2. “No ano passado realizamos esse trabalho com os profissionais dos Disas Norte, Oeste e Sul. Neste ano, além do Disa Leste, devemos alcançar as equipes do Disa Rural”, informou a coordenadora. Em setembro e outubro, voltaremos a realizar videoconferências para profissionais do interior do Estado.

 O “Teste do Pezinho” é realizado em postos de coleta em todo o Estado, tanto na capital, quanto no interior. As amostras coletadas são enviadas ao laboratório de referência do Hemoam, para análise. O resultado sai em duas semanas, em média. Quando detectada alguma anormalidade, o recém-nascido é reconvocado para coletar nova amostra para exame confirmatório. Nos casos confirmados é feito o encaminhamento ao  Serviço de Referência em Triagem Neonatal, que oferece atendimento multidisciplinar adequado aos pacientes.

O período preconizado pelo Ministério da Saúde para a coleta do exame é do 3º ao 5º do nascimento. “Deve-se evitar ultrapassar esse prazo, mas a orientação é que, mesmo após o período preconizado, a mãe não deixe de procurar o posto do coleta para orientação e realização do exame no bebê”, diz Rosiane. Quanto mais cedo o diagnóstico dessas anormalidades, melhor para o tratamento do bebê para evitar sequelas como distúrbios do metabolismo,  retardo mental, doenças irreversíveis do sangue, entre outras detectáveis no teste do pezinho.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here