Sindicato dos aeroviários foi a CMM pedir apoio contra aumento abusivo de estacionamento

Presidente do Sindamazon, José Jorge Negreiros, apresentando abaixo assinado.
Presidente do Sindamazon, José Jorge Negreiros, apresentando abaixo assinado.

O presidente do Sindicato dos Aeroviários do Amazonas (Sindamazon), José Jorge Negreiros, esteve na manhã desta quarta-feira (6) na Câmara Municipal de Manaus (CMM) para entregar um documento (Abaixo assinado) com assinaturas de funcionários aeroviários do aeroporto internacional Eduardo Gomes. Os funcionários pedem que volte o valor de R$ 40, cobrado pela empresa responsável pelo estacionamento do aeroporto, a qual anunciou aumento para R$ 84, o qual julgam abusivo.

Segundo o presidente, se não houver uma negociação que contemporize a situação, a categoria fará greve. O prazo estabelecido pelo sindicato é até a tarde da próxima segunda-feira (11).

"Vamos cruzar os braços e nenhum avião vai sair do chão", José Negreiros.
“Vamos cruzar os braços e nenhum avião vai sair do chão”, José Negreiros.

“Se não houver negociação, diante dessa atitude da infraero, nós vamos parar, cruzar os braços e nenhum avião sai do chão, principalmente no período das festas. Dessa vez, não vamos pagar por uma coisa que foi imposto goela abaixo, principalmente pela ameaça, de que se não aceitarmos R$ 84 aumentarão para R$ 120”, desabafou.

O sindicalista explicou que buscou auxílio na Câmara Municipal, por se tratar de uma Lei Municipal (Lei do Estacionamento) e porque a categoria não aceita a imposição da infraero.

De acordo com o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, da Casa Legislativa, vereador Álvaro Campelo (PP) e com o líder do prefeito, vereador Wilker Barreto, esse aumento é uma prática abusiva que deve ser combatida.

Presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da CMM, vereador Álvaro Campelo.
Presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da CMM, vereador Álvaro Campelo.

“Eles não poderiam fazer isso. A informação que tive do prefeito Arthur Neto (PSDB) é que caso o estacionamento do aeroporto não se enquadre no que determina a Lei Municipal, ele vai pedir que a cancela seja liberada”, destacou Campelo.

“Eles estão em Manaus, possuem alvará de funcionamento expedido pela prefeitura, então, eles terão que se adequar sim na Lei Municipal e caso isso não ocorra, o prefeito já disse que as cancelas serão liberadas”, confirmou Barreto.

Quanto ao aumento de R$ 40 para R$ 84 aos funcionários, Campelo informou que essa briga não entra especificamente no que determina a Lei do Estacionamento, mas entra na competência do Código de Defesa do Consumidor, que prevê uma pratica abusiva. “Você mais que dobrou o valor, então essa prática deve ser combatida também”, disse.

Segundo Álvaro Campelo, a Comissão estará presente, provavelmente na semana que vem (prazo dado pelo prefeito) para verificar se a empresa já se adequou e em caso contrário o prefeito tomará as medidas necessárias, inclusive suspensão do alvará de funcionamento. ///Moara Cabral – Fotos: Áida Fernandes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here