Seres extraterrestres e intraterrenos pesquisam a Amazônia há 6 mil anos

Há 6 mil anos a Amazônia brasileira é alvo de estudos científicos por parte de seres extraterrestres e intraterrestres, segundo informações repassadas em outubro de 2016 por entidades espirituais aos médiuns que formam o Cedecom (Centro de Divulgação Espírita Sagrado Coração de Maria), situado no conjunto Manoa, Zona Norte de Manaus.

Em recente manifestação mediúnica ao grupo, a entidade André, usando os recursos vocais do sensitivo Antônio Barreiros, transmitiu importante mensagem a respeito de estranhas aparições ocorridas em uma região situada entre Manaus e o município de Urucurituba. Ali, uma estranha luz azul aparece sempre no início da madrugada, flutua sobre o Paraná do Ramos, faz movimentos em várias direções, aumenta e diminui de tamanho. Geralmente, a luz se eleva e parte em velocidade para o espaço infinito, mas às vezes penetra na água e some dos olhos curiosos.

O proprietário da área, Francisco Sobrinho, funcionário da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALEAM) há mais de 20 anos, explica que não apenas a “luzinha azul” desafia a razão dos comunitários locais, mas também outros objetos chamam a atenção. São pequenas pedras, contendo inscrições antigas, talvez achados arqueológicos de precioso valor ou referências envolvendo ações de seres cósmicos na região.

Biodiversidade sem réplica

(Imagem: Reprodução)

A entidade intraterrestre Mein, em mensagem mediúnica psicografada por Antônio Barreiros, prestou o seguinte esclarecimento sobre a luz azul e as polêmicas pedras: “Trata-se de uma sonda que monitora o nível de pureza dos lagos e rios e mantém um controle da natureza. Saibam que a fonte maior de vida do planeta está nas matas, nas fontes de águas cristalinas e nas fontes subterrâneas que ainda não foram contaminadas”.

A entidade afirma “A formação e a manutenção da vida no planeta dependeram dessas condições naturais e da sua preservação. Por isso é que os pesquisadores do mundo deveriam voltar-se a esse propósito e os irmãos terrenos conscientizarem-se de que é na preservação que encontrarão melhores condições de vida. Destruindo-a como estão fazendo, logo terão uma grande catástrofe no que diz respeito a alimentação e ao consumo de água potável”.

Prossegue a entidade: “A genética humana não pode sobreviver sem esses recursos e, no entanto, os homens os destroem como se não necessitassem deles ou como se houvesse um manancial infinito para lhes suprir. Saibam, irmãos, que faremos nossa parte para a preservação da flora, da fauna e demais recursos que a abençoada Terra proporciona. A biodiversidade deste planeta é sem replica, cada planeta possui seu habitat condizente com as criaturas e não podemos perder a linda e maravilhosa riqueza deste belo planeta”, diz Mein.

Laboratórios dentro das matas

A mensagem de Mein – membro de uma colônia intraterrestre de grande nível de evolução mental, que ajuda no equilíbrio do eixo planetário – é compartilhada por Mestre André, que assim discorre sobre os fenômenos ditos sobrenaturais na região: “A manifestação na área é apenas uma entre centenas de outras manifestações que ocorrem na Amazônia. Há milênios essa região serve de berço para experiências, as mais variadas, tanto visando a evolução da matéria humana, tanto visando a formação de novos componentes não só para a Terra, mas para outros planos do Universo que estão em princípio de evolução. Cada orbe possui a sua atmosfera e cada ambiente a sua forma de vida. Mas também há orbes com contextos similares”.

As experiências realizadas na região amazônica, segundo André, abrangem o estudo dos mananciais de água, das formas mais primitivas às mais evoluídas, com o propósito de aprimoramento genético. Dentro das matas há verdadeiros laboratórios compartilhados por seres extraterretres e intraterrenos que lá estudam e pesquisam.

“O avistamento de que se fala na região é uma sonda coletora de amostras do ambiente para fins de estudos conjuntos por parte dos irmãos extraterrestres e intraterrenos porque o interesse é comum a todos”, ressalta André.

Pedras com gravuras demarcam a região

Antes de ser habitado, o local era um ponto de estudos, destaca o mestre do Cedecom. “As pedras encontradas, na verdade, demarcam a área. Por isso é que as sondas estão sempre presentes lá. Se forem estudadas, descobrirão que remontam há mais de 600 anos. Muitas delas foram desfeitas pela ação do tempo. Há mais de 6 mil anos a região era uma base de estudos dos extraterrestres envolvendo a fauna amazônica”.

A matéria usada hoje pelo homem terreno não é a mesma de cem anos atrás, salienta André. “O genótipo atual muito difere dos irmãos que viveram naquele período de tempo, porque a ação é sempre dinâmica, é sempre pela busca do aprimoramento de todas as espécies. Esses estudos são realizados por engenheiros espaciais que dedicam suas vidas a essas atividades”, discorre ele.

“Outras regiões são alvos de estudos, mas a Amazônia é priorizada por ser a mais fecunda entre todas as regiões existentes no planeta Terra. O objetivo é semear o Cosmos, auxiliar planetas com as mesmas características da Terra”, informa a entidade.
Sondas e aeronaves coletam amostras.
O milenar trabalho dos extraterrestres e intraterrenos na Amazônia nem sempre é permanente e pode mudar de acordo com as urgências do planeta ou conforme demandas de outros orbes em formação no Universo, seguindo determinações dos planos superiores da vida cósmica.

Observa André: “Quando a mídia relata fenômenos de aparições em certa região é porque algo de importante existe nessa região. Alcançado o objetivo de estudos no ambiente, há o deslocamento para outros pontos que passam a ser frequentados por sondas e pequenas aeronaves para coletas de amostras do novo ambiente para fins de pesquisas que resultarão em preciosos dados sobre o grau de evolução das espécies planetárias”.

“Embora a tecnologia usada pelos irmãos estelares seja muito superior a terrena, eles não estão de posse da perfeição e, logo, encontram dificuldades em determinadas situações. Há erros e acertos. Os estudos são inseridos em uma rede de informação onde eles são disponibilizados às mentes curiosas, de maneira que elas captem as ideias e deem praticidade a elas”.

André encerra seus esclarecimentos, acrescentando: “Tudo tem um propósito de acordo com as demandas de crescimento. Por isso tanta gente pergunta por que os seres extraterrestres, detendo tanto conhecimento, não entram em contato com os seres humanos e difundem sua alta tecnologia. Não o fazem isso porque, conforme as leis que regem o Universo, o homem da Terra ainda não atingiu a maturidade cósmica. No momento, a mente humana é bélica e a sua ciência só foca a ganância e o poderio. Mas, em breve muita coisa irá mudar em função de irmãos que estão sendo introduzidos na matéria terrena, irmãos que vão dar novo curso à história desta humanidade. Tudo demanda ciclos. A Terra passa por um sério período de higienização para que experimente uma vida melhor”.

*Juscelino Taketomi – jornalista e escritor

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here