Polícia monta força-tarefa para investigar corpos decapitados em Manaus

Mala foi encontrada no bairro Compensa 1 (Foto: Rickardo Marques/G1 AM)

A Polícia Civil montou uma força-tarefa para investigar casos de dois corpos decapitados e um esquartejado encontrados entre a noite de sexta-feira (20) e a manhã deste sábado (21) em diferentes regiões de Manaus. O objetivo é saber se os casos têm ligação com briga entre facções na capital.

A força-tarefa é composta por 34 delegados que devem atuar para investigar e identificar os autores dos homicídios.

Partes de corpos foram encontradas nos bairros da Compensa, Jorge Teixeira e no Igarapé do Bariri, no bairro Presidente Vargas, conhecido como “Matinha”.

O primeiro caso ocorreu na Compensa. O corpo de Janderson Rosário de Souza, de 23 anos, foi encontrado esquartejado dentro de uma mala. Bilhetes contendo nomes de outras pessoas e ameaças também foram encontrados. O irmão de Souza esteve no local e informou que a vítima comercializava entorpecentes, mas trabalhava em um estaleiro. Ele teria saído do local após receber uma ligação na manhã desta sexta e não retornou.

Outros dois casos ocorreram na manhã de sábado. Em um deles, um catador de lixo encontrou o corpo de um homem, também decapitado. O caso ocorreu em um beco no bairro Jorge Teixeira 4, na Zona Leste. O corpo estava dentro de um saco de fibra. De acordo com o Instituto Médico Legal (IML), a cabeça foi achada ao lado do corpo, dentro do saco. Além disso, o homem teve o abdômen perfurado e estava com pés amarrados.

Mortes

Até maio, Manaus registrava a média de 70 homicídios por mês. Em junho, houve recorde de assassinatos no ano e os números saltaram para 103. Somente nos 15 primeiros dias de julho, a Polícia Civil já contabiliza 50 casos. São mais 450 homicídios desde o início de 2018.

Secretaria de Segurança aponta que mortes têm ligação com fuga de detentos de unidade prisional.

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) aponta que o aumento de assassinatos é consequência da guerra entre quadrilhas do Rio de janeiro e São Paulo, que disputam o comando do tráfico de drogas no Amazonas com uma facção local.>>>G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here