Polícia Civil alerta consumidores sobre conduta abusiva em postos de combustíveis na capital

Foto: Erlon Rodrigues/Secom

A Polícia Civil do Amazonas, representada pelo delegado Eduardo Paixão, titular da Delegacia Especializada em Crimes contra o Consumidor (Decon), alerta consumidores sobre a conduta abusiva de frentistas em postos de combustíveis da capital, identificada a partir da formalização de ocorrências por consumidores de diferentes estabelecimentos.

Conforme a autoridade policial, é recorrente o número de vítimas que chegam na especializada relatando que pediram ao funcionário para abastecer com gasolina comum e ele colocou gasolina aditivada, visando ao lucro da empresa.

“O cliente não é informado sobre o tipo de gasolina que está sendo inserido no automóvel dele. Identificamos que quando o consumidor chega ao posto de combustíveis e informa que quer abastecer com gasolina, sem ser questionado sobre o tipo da gasolina que ele deseja, o frentista insere a de maior valor no veículo. Isso fere o Código de Defesa do Consumidor”, explicou o delegado.

Prática frequente – De acordo com Paixão, o descumprimento do Código de Defesa do Consumidor (CDC) é uma prática bastante frequente em postos de combustíveis na cidade. O titular da Decon reforçou que a equipe da especializada reitera o compromisso com a sociedade em fornecer orientação e tomar as medidas cabíveis em torno dos casos.

Direitos – Eduardo Paixão esclareceu que os Artigos 6°, 31° e 39° do CDC asseguram ao cliente o direito de livre escolha e da informação. Inclusive, o Artigo 6°, inciso três, prevê que são direitos básicos do consumidor a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem.

“É importante, sempre que o cliente for abastecer, informar ao funcionário sobre qual combustível deseja abastecer, o valor, observar o final da operação e solicitar a nota fiscal do serviço. Em caso de irregularidades, a vítima deve se recusar a efetuar o pagamento pelo produto não solicitado ou exigir que o estabelecimento cobre pelo preço do produto de menor valor”, orientou Paixão.

Penalidades – O delegado enfatizou que estabelecimentos que descumpram as leis de proteção ao consumidor podem ser penalizados com multas, suspensão das atividades e, ainda, o dever de indenizar os clientes prejudicados. Eduardo Paixão destacou que os consumidores que se sentirem lesados devem sempre estar munidos de elementos que comprovem o serviço, como nota fiscal, mídias ou testemunhas.

Para concluir, o titular da Decon pediu às pessoas que tenham sido vítimas dessa prática ilegal, para realizarem denúncias à equipe da especializada, por meio dos números: (92) 99962-2731 e 3214-2264 ou formalizem a ocorrência no prédio da Decon, na rua Lima Bacuri, nº 504, bairro Centro, zona sul, anexo ao 24º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here