Parintins tem primeira travesti a mudar nome no Cartório Eleitoral

"Estou super feliz", disse Raphaela - Foto: Hudson Lima
“Estou super feliz”, disse Raphaela – Foto: Hudson Lima

Raphaela do Carmo Prata foi a primeira travesti da cidade de Parintins a realizar a mudança e incluir o nome social e o gênero no Cartório da 4° Zona Eleitoral. No ato, realizado dia 03 de abril, Raphaela estava acompanhada da irmã, também travesti Bruna Amaral do Carmo. Que agora, na Justiça Eleitoral, tem registro de Bruna Monteiro Alencar.
A mudança foi possível, pois no dia dia 22 de março, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em respeito à Constituição Federal, tomou a decisão de permite que eleitores transexuais e travestis mudem o nome social e o gênero na Justiça Eleitoral. Quem desejar realizar a mudança tem até dia 09 de maio para pedir. A decisão vale para a eleição de outubro de 2018. 

Rafaela, tem 34 anos e ao nascer foi registrada com nome de Rafael. Em contato com o site ParintinsAmazonas, comentou ser um avanço para a movimento pela defesa dos direitos da comunidade LGBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros) a decisão do TSE. “Aqui no Cartório de Parintins fomos atendidos de forma muito respeitosa por todos os funcionários. Depois que outras colegas travestis souberam já nos procuraram para saber e temos certeza que essa ação fortalece muito a nossa classe. Pois a Constituição de 1988 estava só no papel e agora o TSE colocou em prática. Tal decisão é resultado de décadas de lutas pelo Brasil. Estou super feliz”, disse Raphaela a reportagem. 
Ela pertence a diretoria do Associação de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais de Parintins – AGLTPIN e também do núcleo do Movimento Trans de Parintins, ligado à Associação Trans Manaus. E atualmente é educadora dentro do projeto Viva Melhor Sabendo, parceria do Ministério da Saúde e ONG AGR Brasil. “Até minha adolescência escondia minha opção sexual. Mas na juventude assumir de vez ser gay. E desde 2008 ou 2009 assumir ser travesti, usava o nome de Raphaela Massafera. A convite do nosso presidente Fernando Moares o Dinho entrei na associação de Parintins e hoje luto pela causa. O Dinho e toda nossa diretoria sempre busca o melhor para o nosso segmento”, diz. Raphaela.

Ela calcula que no Cartório da Justiça Eleitoral de Parintins até dez travestis devem fazer a mudança do nome social. Atualmente a associação tem cadastrados mais de 300 associados entre gays, Lésbicas, Travestis e transgêneros. 

PRECONCEITO EM TODAS AS CLASSES

Apesar da emancipação e vitórias em várias áreas e agora na Justiça Eleitoral, Raphaela saliente que em Parintins não é diferente do restante do Brasil em termos do preconceito contra os travestis da classe GLBT. “Você sai nas ruas de Parintins e sempre tem piadinhas contra os travestis que saem vestidas com roupas de femininas . Viadinho, bicha, frutinha e outros termos. Quando não, as pessoas além de palavras fazem atos mesmo. E isso é em todas as camadas. Das nas pobres e sem escolaridade as mais bem de vida e com estudo. O preconceito está em todas as classes. Infelizmente. Mas já foi pior. Nós não vamos deixar de viver ou lutar por isso”, afirma Raphaela.
Os dados oficiais do site do TSE sobre quantos cidadãos e cidadãs no Brasil mudaram o nome social deve sair na primeira quinzena do mês de maio. Com informações do ParintinsAmazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here