Para Rotta, a ANS não cumpre seu papel de regular o setor e, por isso, não deveria sequer existir

168

A Comissão de Defesa do Consumidor (CDC) aprovou, nesta quarta-feira (8), requerimento para realizar uma audiência pública sobre o reajuste dos planos de saúde. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) autorizou as operadoras a aumentarem em 13,57% os planos individuais e familiares. O reajuste atinge 8,3 milhões de usuários e está acima da inflação de 12 meses, acumulada em 9,28% até abril.

O deputado federal Marcos Rotta (PMDB-AM) defendeu a realização da audiência. “Os consumidores foram tomados de surpresa, para não dizer de assalto”. Rotta citou o posicionamento da Agência à imprensa sobre o reajuste dos planos coletivos. Representantes informaram que a ANS não define percentual máximo para esses planos porque ‘pessoas jurídicas têm maior poder de negociação junto às operadoras’, o que resultaria em vantagens para as contratantes.

“Uma agência que não regula o setor como deveria, que não cumpre seu papel, sua finalidade, penso que não deveria sequer existir”, criticou o parlamentar. “Portanto, acho que é um momento importante para que a gente possa cobrar da ANS um posicionamento mais firme, mais rígido, mais intenso e, acima de tudo, mais respeitoso ao consumidor brasileiro”, acrescentou.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here