O DEBATE, A DERROTA E A SOBERANIA POPULAR

ademir-ramos_500x333Na noite de ontem (23), a TV Amazonas cumpre o seu dever de organizar e veicular o Debate final de Campanha entre o Melo e Eduardo, os dois vitoriosos do primeiro turno das eleições de 2014. O perfil, e a biohistória dos candidatos são diferentes quanto à sua trajetória social e seu modos operandi. Eduardo por ser afoito e ficou mais ainda, quando se deparou com o alto índice de rejeição do seu nome, principalmente, junto ao eleitorado de Manaus.

Debate-TV-Amazonas

E para completar,, por uma questão estratégica, o Melo não compareceu aos debates anteriores, não dando margem para o Eduardo extravasar sua raiva contra o candidato governador. Ademais, vacilante em sua mídia, visto que uma hora batia outra hora soprava, por final só batia, reduzindo a política nas crônicas policiais do passado. Chegada a hora do Debate era só ansiedade e muita vontade de esganar o Melo, criando uma expectativa ao seu favor. No entanto, o Melo, sem perder o Status de governo e de candidato, em tom professoral, começa a desmontar o Eduardo, encurralando nas suas inverdades, que o próprio Melo qualificou de mentira e o chamou de mentiroso. É verdade que o Eduardo bateu forte, mas também é verdade que o Melo enfrentou em seu próprio território, dizendo que não gostaria de ser leviano, mas o que dizer de um “homem que bate em mulher”.

Silenciado pelo seu próprio ato, Eduardo faz caras e bocas e não responde e o Melo desconsidera e segue adiante. Em suma, a pancadaria foi geral e perdemos todos quanto ao mérito das propostas, entretanto, “em terra sapo de cocora com ele”. A derrota do Eduardo foi flagrante porque criou uma expectativa que não se consumou, permitindo que Melo crescesse mais ainda junto ao seu eleitorado e muito mais ainda aumentasse a sua rejeição – movimento ‪#‎vasadudu‬ . Acabrunhado, profundamente abatido, segundo seus próprios companheiros, Eduardo vaza da TV Amazonas matutando sobre a sua própria derrocada. Como se sabe o tempo é implacável, restando somente o espírito competitivo como bem exige as regras democráticas.

Do Melo, por sua vez, espera-se o espirito público de trabalhar cada vez mais pela conquista do voto junto aos eleitores, em respeito às instituições democráticas, pedindo e garantido voto até o último momento para o bem da nossa gente. Para tanto, confirma-se a vontade popular, transformando o voto num instrumento de garantia do Direito e, assim, a Democracia ganha as ruas qualificada pela força e soberania deste povo que tanto trabalha e ama esta terra.

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O Professor, Governador Melo combateu o bom combate!! Calou o imperador, que perdeu a pompa, e se perdeu em seus ataques sem consistências. O cadeirudo sabe que o Governador Melo conhece suas entranhas e seus segredos de alcova, pois conviveu muito próximo nos últimos 20 anos e não é leso de cutucar a onça com vara curta. #vazadudu#

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here