O AMAZONAS E OS POVOS INDÍGENAS

Ademir-RamosO Estado do Amazonas, de Amazonino Mendes, Eduardo Braga, Omar Aziz e o próprio governador José Melo tomaram para si o dever de implementar uma política de Estado em favor dos povos indígenas, que vivem e moram neste território demarcado pelas fronteiras do Peru,Colômbia e Venezuela, concentrando no Estado a maior população indígena do Brasil.

Constitucionalmente a matéria está lavrada no capítulo XIII “Da População Ribeirinha e do Povo da Floresta”, como reza na Constituição do Amazonas, a determinar que “O Estado e os Municípios suplementarão, se necessário, a assistência aos grupos, comunidades e organizações indígenas, nos termos da Constituição da República e da legislação própria, e atuarão cooperativamente com a União nas ações que visem à preservação de sua cultura (Art. 249).

A preservação dessas culturas além de assegurar domínio e controle do território nacional garante também a preservação de nossa biodiversidade, que tem nos povos indígenas a titularidade deste patrimônio. Ao governo do Estado compete promover esta política em cumprimento a Constituição do Estado, garantindo os meios necessários para a realização da política indigenista, em atenção ao etnodesenvolvimento as comunidades indígenas do Amazonas.

Com a criação da Secretária de Estado para Povos Indígenas (SIND), em 2009, o governo do Estado consolidou a sua política indigenista sob a direção e gestão das próprias lideranças indígenas do Estado, que por sua vez de forma determinada buscou parcerias para multiplicar os recursos e ampliar cada vez mais a presença do governo local junto às comunidades visando promover a sustentabilidade desses povos.

Para efeito contábil e para superar os argumentos economistas dos burocratas de plantão esclarecemos para os devidos fins que o orçamento previsto da SEIND para 2015 é tão somente de R$ 4.412,00 (quatro milhões de reais e quatrocentos e doze reais). 20% deste valor é contingenciado, inviabilizando formalmente a política de Estado.

No entanto, a direção da SEIND de forma determinada celebrou várias parcerias com o governo federal, inclusive com o próprio BNDS, que resultaram numa somatória orçamentária para 2015 de R$ 60.805.319,75 (sessenta milhões, oitocentos e cinco mil e noventa e quatro centavos). Afirmamos desta feita a competência e habilidade do gestor da SEIND na expectativa de se garantir a continuidade desta política indigenista de Estado com ressonância local e internacional.

COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Protagonismo e ousadia foram sempre elementos que se somaram a outras virtudes que no decorrer do tempo e da caminhada nos fizeram ser cada vez mais fortes e determinados.E, apostar em nossos conhecimentos é acreditar no etnodesenvolvimento e no crescimento do Amazonas e até mesmo do nosso país, pois somos um contingente em termos étnicos e em diversidade cultural que no presente se apresenta para construir um novo momento,guiados pela sabedoria ancestral, orientada por nossos anciãos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here