III Jogos Interculturais Indígenas reúne cinco etnias diferentes e celebra a cultura e o costume

 

Um ritual na língua tucano para chamar o sol e abençoar a terra deu por aberta a III edição dos Jogos Interculturais indígenas, neste sábado (25), na Comunidade do Livramento, localizada a 25 minutos de Manaus. A celebração, promovida pela Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Desporto, Lazer e Juventude (Semdej), reuniu uma média de 500 índios das etnias Baré, Tarianos, Tucanos, Miranas e Carapanas, que promoveram sua cultura e seus costumes através do esporte, da dança e da música.

“Nós pedimos aos nossos ancestrais energia e muito calor para tornar esta confraternização um momento proveitoso para todos. Hoje o que mais importa não são os resultados dos Jogos, mas sim a oportunidade de mostrar e valorizar nosso povo e nossa história. Nós precisamos criar possibilidades e apresentar ao mundo o que nossos antepassados deixaram de valioso”, disse o Cacique Asterio Baré, que comanda há quatro anos a comunidade do Livramento, do Rio Tarumã e do Tarumã Açu.

Mergulho, canoagem, peconha, zarabatana, arco e flecha, arremesso de lança e cabo de guerra, corrida de 80 metros, corrida de saco, salto em distância, voleibol, futebol e natação foram as modalidades que movimentaram os Jogos. Para o coordenador do evento e gerente da Semdej, Eldo Gomes Cabral, a celebração conseguiu cumprir seu papel social.

“O Livramento é uma comunidade mista que precisa ser valorizada enada melhor que o esporte para trazer isto à eles. Essa é uma reserva indígena que pertence a Semmas, por isso eles não podem vender nada aqui. Eles plantam e caçam para comer. Logo om os Jogos aqui é possível eles mobilizarem sua economia e principalmente criar possibilidade para várias tribos. Este é um momento que valoriza este povos e sua existência”, comentou o professor, ao confirmar a participação de 15 comunidades indígenas, totalizando uma média de 500 pessoas por dia nos Jogos.

Acostumados a correr no meio da mata, os índios tiveram que canalizar sua força e velocidade na corrida de 80 metros.  Na categoria masculina, Kleison Coelho marcou 8seg49 e tornou-se o vencedor da prova. O segundo lugar foi ocupado por Elvys Thomas (8seg49) e o terceiro por Lindrei Santos (8min97).

Uma “piscina” sem borda – Água clara, com cloro, num tanque d´água.  Nada disso faz parte da realidade dos Jogos Interculturais Indígenas. Ao contrário. A “piscina” neste evento tem água escura, bichos e uma imensidão sem fim. Para enfrentá-la é preciso esperteza e conhecimento, e isso a pequena Jamiles Silva tem de sobra.

Livramento 1 leva a melhor no campo – O esporte mais popular do mundo não poderia estar de fora dos Jogos Interculturais. Com as equipes da casa se enfrentando – Livramento 1  e  Livramento 2 – o público ficou bastante dividido na hora de torcer. E as equipes não decepcionaram, protagonizando uma partida repleta de suspense.  O jogo que terminou empatado (1 a 1), foi para os pênaltis e o Livramento 1 foi que se deu melhor ao balançar cinco vezes a rede, enquanto a adversária marcou quatro. Os gols que garantiram a vitória vieram de Alexandre, Elvys, Paulo, Vitor e Elton.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here