Economia

Grupo francês arremata Aeroporto de Manaus em leilão

As concessões do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes e os terminais de Tabatinga, Tefé, Porto Velho (RO), Rio Branco, Cruzeiro do Sul (AC) e Boa Vista (RR) foram arrematadas ontem pela francesa Vinci Airports, com um lance de R$ 420 milhões. No leilão que o Ministério da Infraestrutura batizou de InfraWeek, ou semana de infraestrutura, em inglês, a empresa tem o compromisso de investimento de R$ 1,4 bilhão.

“Estamos satisfeitos com o resultado do leilão. Demos um passo importante para o trabalho que estamos desenvolvendo no Brasil. Temos ambições claras”, diz o presidente da Vinci Airports, Nicolas Notebaert.

Além de assegurar a operação, manutenção e modernização dos terminais e pistas, conforme previsto no contrato de concessão de 30 anos, a Vinci Airports informou que irá transformar esses aeroportos em infraestruturas e coeficientes com meta de zero emissões líquidas, instalação de fazendas fotovoltaicas, gestão da água e dos resíduos sólidos, implantação de laboratórios de diversidade e projetos para redução da pegada de carbono em parceria com Organizações Não Governamentais (ONGs) locais.

Com o leilão desta quarta-feira, a companhia francesa teve a sua rede global , expandida para 52 aeroportos, fortalecendo sua presença nos países lusófonos e na América Latina, onde irá gerenciar 16 equipamentos, no Brasil, Chile, Costa Rica e na República Dominicana.

Realizado ontem na B3, na capital paulista, o leilão vai transferir para a iniciativa privada a administração de 22 terminais em 12 Estados. Os exigirão uma contrapartida total de R$ 6 bilhões de investimentos nesse período. Além disso, a outorga oferecida ontem na licitação terá de ser paga ao governo 15 dias após a assinatura dos contratos de concessão, que deve ocorrer nos próximos meses assim que toda documentação for avaliada.

A disputa contou com sete consórcios diferentes, nacionais e estrangeiros. Mas a grande atração do leilão foi a CCR, que arrematou dois dos três blocos ofertados pelo governo. Por meio da subsidiária Companhia de Participação em Concessões, a empresa deu um lance de R$ 2,1 bilhões no bloco Sul, com ágio de 1.534%. Esse lote é composto pelos aeroportos de Curitiba (PR), Foz do Iguaçu (PR), Navegantes (SC), Londrina (PR), Joinville (SC), Bacacheri (PR), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS) e Bagé (RS).

O outro lote vencido pela CCR foi o Central, que inclui os terminais de Goiânia (GO), São Luís (MA), Teresina (PI), Palmas (TO), Petrolina (PE) e Imperatriz (MA). (D24AM)

Deixe um comentário