Fotografia proporciona um novo olhar do mundo a aposentados e pensionistas

(Foto: Luíza Parente/ Manaus Previdência)

No dicionário, fotografar é o processo de fixar uma imagem por meio de um sensor digital ou superfície fotossensível com o auxílio da luz. Para os segurados do município, porém, o significado transcendeu a definição léxica. Para Sérgio Barbosa Fonseca, 73, fotografar é sinônimo de superação e para Rozilda Marques da Silva, 65, gratidão. Ambos são concludentes do curso de fotografia oferecido pela Prefeitura de Manaus aos aposentados e pensionistas e que encerrou nesta terça-feira, 9/10.

“É tão perceptível a satisfação no olhar de vocês que nem precisamos perguntar se vocês aprovaram o curso”, comentou o diretor-presidente da Manaus Previdência, Silvino Vieira, no encerramento da atividade. “Isso mostra que atingimos o objetivo”, arrematou.

“Visualizar as fotos que vocês fizeram é a prova de que vocês aproveitaram não apenas para aprender algo novo, mas se integrar cada vez mais”, destacou a diretora do Departamento de Educação e Aperfeiçoamento da Escola de Serviço Público Municipal e Inclusão Socioeducacional (Espi), Jeânia Bezerra.

A parceria entre as duas instituições – a segunda, integrante da estrutura da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão (Semad) – possibilitou a oferta deste e de outros cursos oferecidos pela previdência aos aposentados e pensionistas.

Responsável pela seleção dos cursos oferecidos pela previdência aos segurados, a coordenadora do Setor de Psicossocial, Darla Gondim, destacou que os trabalhos expostos pelos alunos no último dia da atividade era a prova inconteste do aproveitamento do aprendizado. “As fotos falam por si só e é emocionante testemunharmos esse resultado tão positivo”.

Para a instrutora Cristina Ferreira, a turma correspondeu às expectativas e superou qualquer projeção em relação à absorção das técnicas ensinadas. “Eles são interessados e muito ativos. A cada aula percebemos a melhoria da qualidade da foto e da criatividade e o resultado está aqui, nesta miniexposição”, aponta, referindo-se a algumas das fotografias dos alunos que compuseram o cenário do encerramento do curso, afixadas nos vidros das janelas do Setor de Atendimento, local onde também houve a entrega do certificado de conclusão a cada participante. As fotos ficarão em exposição até o final do mês.

A instrutora e os alunos também trouxeram câmeras fotográficas que tinham em casa para demonstrar, visualmente, a evolução dos equipamentos. Entre os modelos, uma que chamava a atenção era a câmera Kapsa, estilo “caixotinho”, da década de 50. Mecanismo simples e mecânico, com apenas com três tipos de ajuste, mas robusta o suficiente para resistir a quedas.

Superação

Um dos aplicados alunos do curso de fotografia foi o fotógrafo profissional aposentado Sérgio Fonseca. Com pouca visibilidade na visão desde quando nasceu, ainda assim Fonseca conseguiu se destacar na profissão onde o olhar é fundamental para o produto final. “Na nossa idade, precisamos fazer alguma atividade para garantir a saúde do corpo e da mente. E fazer algo com que trabalhei por décadas e de onde tirei o sustento da minha esposa e dos meus seis filhos, me trouxe muitas recordações e saudades”, disse, emocionado, acrescentando que dois de seus filhos seguiram a mesma profissão.

Mesmo com tanta experiência, Fonseca afirma que aprendeu coisas novas no curso, principalmente no uso da câmera do celular. “Passei praticamente por todos os jornais de Manaus; estive ao lado de grandes autoridades do Brasil e do mundo. Mas, estar junto de pessoas como eu, nessa etapa da vida, me revela o grande valor da convivência”, analisou.

A sensação de saber os princípios básicos para fazer uma boa fotografia promove no rosto da aposentada Rozilda Marques um sorriso que não esconde o orgulho de saber utilizar melhor o celular para registrar momentos inesquecíveis. “Aprendi sobre iluminação e ângulos, por exemplo, algo que nem imaginava que influía no produto final”, relatou.

Para a miniexposição do curso, Rozilda escolheu um tema histórico: foi ao Museu Casa Eduardo Ribeiro, no Centro, e fotografou vários objetos e cenários do local. Para a exposição, escolheu a foto que retrata os sapatos que caracterizam o vestuário da época do ex-governador, que governou o Amazonas em duas ocasiões: 1890-1891 e 1892-1896. “Fui ao museu depois de votar, no último domingo, e lá encontrei a minha inspiração, o ‘olhar-luz’ da fotografia e registrei esse momento. Meu sentimento é de gratidão com a Prefeitura, por nos proporcionar esse conhecimento, essa integração, essa oportunidade. Ano que vem, nos novos cursos, estarei aqui, se Deus quiser”, promete.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here