Festival Até o Tucupi lança programação para 2019 no Teatro Amazonas

Em sua décima quarta edição, o Festival destaca artistas negros na programação e pulveriza atividades artísticas e de formação nas zonas central, norte e centro-oeste de Manaus.

O Festival Até o Tucupi de Artes Integradas, que em 2019 completa 13 anos de realização anual ininterrupta – sempre se reinventando e pensando de maneira dinâmica e colaborativa seu formato -, apresenta sua programação geral que acontece de 20 a 23 de novembro em Manaus (AM), propondo intensa programação artística-cultural, envolvendo público, artistas, produtores e agentes culturais.

O Até o Tucupi novamente pensa sua programação questões raciais, em lembrança ao Dia da Consciência Negra. O show de abertura, no dia 20 de novembro, leva ao palco do Teatro Amazonas jovens artistas negros da cidade de Manaus e da região Norte. A programação segue, no dia 23 de novembro, com a realização da Mostra de Música e outras atividades artísticas, no Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola, na Cidade Nova, zona norte de Manaus. A Feira Urbana de Alternativas – FUÁ também integra o Festival, mobilizando feira criativa no espaço do Centro de Convivência, com gastronomia, feira de alimentos livres de agrotóxicos, feira de troca de livros e vinis, exposições artísticas, fotográficas e artes gráficas, design.

O Festival Até o Tucupi de Artes Integradas é realizado pelo Coletivo Difusão e em 2019 seu projeto foi contemplado pelo Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais 2018, da Prefeitura de Manaus. O Festival nesta edição também conta com o apoio da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer – Semjel Manaus, Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Amazonas e Secretaria Estadual de Assistência Social – Seas. Também são parceiros do Festival, o projeto Viva Melhor Sabendo Jovem Manaus e Fuá – Feira Urbana de Alternativas. O projeto ainda integra a Semana de Juventude Manaus 2019.

REFLEXÃO E FORMAÇÃO

O Até o Tucupi é sempre fio condutor de debates urgentes da vida em sociedade na cidade de Manaus/AM. E entendendo a CULTURA como transversal a outras pautas, o Festival se apresenta como ANTIRACISTA, lembrando as lutas da população negra no mês da Consciência Negra. Já em sua abertura, no dia 20 de novembro, o Até o Tucupi apresenta no Teatro Amazonas, shows de jovens artistas negros, alguns se apresentando nesse palco pela primeira vez. A programação inicia com show coletivo dos artistas Ian Lecter, Karen Francis, Kurt Sutil, Lua Negra, Anna Suav & Bruna BG (PA) e DJ Naty Veiga. O evento ainda conta com o ‘Show de lançamento do EP Fruto do bem’, da cantora e compositora Jéssica Stephens, que apesar de roraimense, estabeleceu sua carreira musical em Manaus e hoje reside em São Paulo, onde aposta em seu trabalho.

E ainda refletindo sobre as artes e o papel transformador da cultura, o Festival também se integra a ações e projetos que acontecem na cidade. Um deles é o evento ‘Filochoppando’, que acontece toda terça-feira, na Vila Vagalume e que no dia 19 de novembro, como um ‘esquenta’ do Até o Tucupi, recebe a roda de conversas ‘Encontro da Música: Nova Cena Nova – Mídia e Difusão’, com mediação da cantora e produtora do Festival Até o Tucupi, Elisa Maia, num bate-papo sobre novas narrativas possíveis, assessoria de imprensa e mídias sociais, e comunicação em tempos de ‘cancelamento’. A roda já tem debatedores confirmados: Rosiel Mendonça (jornalista e agente cultural), Viktor Judah (produtor musical e músico da banda República Popular), Anna Suav (cantora, compositora e jornalista) e o site Viva Manaus (portal da Prefeitura de Manaus que cobre pautas de cultura).

No dia 21, o Coletivo Difusão, grupo que realiza o Festival Até o Tucupi, apresenta a quarta edição do projeto ‘Difusão na Escola _ Consciência Negra’, na Escola Municipal Professora Sônia Maria da Silva Barbosa, nos turnos da manhã e da tarde, com exibição de filmes e roda de conversas sobre temáticas raciais e apresentações artísticas. Ainda nos dias 21 e 22, acontecem as oficinas ‘Vivências em comunicação de festivais independentes’, facilitada pela artista e jornalista Anna Suav, e ‘Vivências em produção de festivais independentes’, facilitada pelas produtoras Elisa Maia e Michelle Andrews.

MOSTRA DE MÚSICA

A já tradicional Mostra de Música encerra a programação do Festival, no dia 23 de novembro, com a participação de mais de dez artistas do Amazonas, Pará e São Paulo. As apresentações começam a partir das 16 horas, se dividindo entre a arena aberta e a área coberta do Centro de Convivência da Família Padre Pedro Vignola, na Cidade Nova, zona Norte de Manaus.

Com forte presença de mulheres no line up, o Festival Até o Tucupi propõe paridade de gêneros nos palcos e destaca a presença das artistas Karen Francis, Renata Martins, a banda Pacato Plutão, que tem a cantora Cynara Lima nos vocais, além de conexão com a região norte, com show da dupla de rappers Anna Suav & Bruna BG, ambas com trabalhos consolidados na cidade de Belém/PA, que ainda convidam as rappers amazonenses Lary Go & Strela e Catarina.

O rock também tem presença garantida, em vertentes que vão do indie, passam pelo hardcore e o grunge, com as bandas Líbito, Alderia e a própria Pacato Plutão.

O cenário rap mostra porque é um fenômeno de players no YouTube e outras plataformas digitais, além de se manter como headliner de grandes festivais pelo Brasil e em Manaus não seria diferente. Além das artistas de Belém, Anna Suav & Bruna BG, os amazonenses Ian Lecter e a banca Aposse92 – coletivo que reúne os rappers Kurt Sutil, Do Carmo, Jhonatan UE e Ligeirinho AM -, o Festival Até o Tucupi traz pela primeira vez a Manaus, o rapper paulista Raffa Moreira (autointitulado Aka BC Raffa), consolidado como ícone do subgênero ‘trap’ e fenômeno de hits como ‘Bro, faz sol’, ‘10K’ e a recente e controversa ‘Fah Fah Fah’. Os artistas deverão promover grande celebração do estilo, exatamente na zona norte, berço do rap amazonense.

O acesso é gratuito em todas atividades da programação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here