“Derrota do Exército no Rio será incorrigível”, diz Artur Neto

Em entrevista durante inauguração de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) na zona rural, o prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), demonstrou dúvida sobre o sucesso da intervenção federal do governo Michel Temer (MDB) contra o crime organizado no Rio de Janeiro.

“O presidente fez essa intervenção no Rio e eu não sei nem se ela foi acertada, porque, se não der certo, é a derrota do Exército Brasileiro e isso será incorrigível do ponto de vista institucional do Brasil”.

O comentário foi feito ao criticar o papel de seu partido nas discussões da reforma da Previdência, papel esse que ele chamou de “vergonhoso”.

Na visão de Artur, o PSDB foi “salvo pelo gongo”, por causa da intervenção no Rio, pois ainda não fechou questão a favor ou contra a reforma polêmica.

“O fato é que com a intervenção ficam impedidos de tramitar no Congresso projetos de reforma da Constituição”, disse o chefe do executivo municipal nesta segunda-feira, dia 19.

Audiência com Temer e farsa

Artur disse terá uma audiência em Brasília com o presidente da República para “cuidar de alguns assuntos ligados a recursos para Manaus”. E aproveitará para manter contato com os dirigentes do PSDB.

“O fato é que o tempo das prévias está se esgotando. Denunciei a farsa que estão montando. Falei que eu não participo de farsa. Estou até hoje aguardando uma resposta [sobre os debates]. São tão pusilânimes sobre os questionamentos mais duros que se fazem. É toda aquela conversa. O objetivo é eles fazerem o Geraldo Alckmin [governador de São Paulo] de qualquer maneira candidato a presidente da República e a meu ver com chances muito pequenas de vencer”, prognosticou o prefeito.

Justiça contra Alckmin

Arthur reafirmou que Alckmin não quer enfrentá-lo em debates antes da escolha do nome do presidenciável tucano, mas sim que quer ser “ungido como candidato”. E que, se necessário, irá à justiça contra o paulista.

“Ele é dono do partido, hoje comanda todas as pessoas lá. Existe essa ditadura do fundo partidário. Todo mundo morre de medo de falar alguma coisa porque se não perde o fundo partidário. Eu não tô nem um pouco preocupado com o que vai acontecer. E mais, se precisar, por causa do fundo partidário das eleições aqui em Manaus, ir à justiça eu vou para derrotá-lo pra trazer o que é de direito, sem eu ter que abaixar a cabeça, sem ter que me humilhar pra ele, porque é gente assim, arrogante, e a gente conhece os exemplos aqui do Amazonas, é gente arrogante assim, que costuma na hora da eleição bater fofo quando se trata de consulta popular”.

Críticas e abraços

O prefeito respondeu ainda às declarações feitas pelo ex-senador José Aníbal (PSDB) dizendo que o manauara “passou dos limites nas  críticas  duras” que fez ao governador e presidente tucano Geraldo Alckmin.

“O [Aníbal] é um querido amigo, que me critica de longe e me abraça de perto. Me deu palavras de estímulo, quando eu comecei essa pré-campanha. Ele tá naquela hora ali pra ver o que que sobra pra cada um. Ele é suplente de senador, que sobra pra ele?”, comentou rindo.

Pão de ló

Apesar de achar que o PSDB tende “a perder relevância”, Artur diz que “não sai do partido”.

E que caso se concretize a ideia de escolher Alckmin como presidenciável tucano, o prefeito diz que “continuará muito de pé”.

“[Caso aconteça] mesmo isso de ele fugir da raia como foge, eu vou receber aqui todos os candidatos a presidente, todos os que quiserem visitar o prefeito. Serão recebidos bem, e o que vou pedir a eles é que analisem um documento, que é um documento de defesa da Zona Franca de Manaus, contra as desigualdades regionais, contra as injustiças que são praticadas contra nordeste, norte, centro-oeste. E eu tratarei a pão de ló todo e qualquer presidenciável que me procurar. Vou trocar ideias políticas com elas, por mais diversas que sejam as opiniões delas em relação as minhas”, finalizou. Com informações do BNC.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here