‘Decreto trabalhista da Venezuela é o mesmo que trabalho forçado’, alerta Anistia

Decreto sobre trabalho compulsório no campo foi publicado nesta semana
Decreto sobre trabalho compulsório no campo foi publicado nesta semana
Decreto sobre trabalho compulsório no campo foi publicado nesta semana

A organização Anistia International (AI) declarou nesta quinta-feira que o novo decreto imposto pelo governo da Venezuela, que determina que qualquer empregado pode ser obrigado a trabalhar em tarefas de agricultura como forma de combater a crise alimentícia no país, equivale a trabalho forçado.

A diretora da AI para as Américas, Erika Guevara-Rosas, afirmou que “tentar abordar a severa falta de alimentos na Venezuela forçando o povo a trabalhar no campo ‘é como tentar curar uma perna quebrada com um curativo“.

“O novo decreto é completamente inútil em termos de encontrar formas para que a Venezuela saia da crise em que ficou imersa por anos. As autoridades venezuelanas devem focar em pedir e levar de maneira urgente a ajuda humanitária que milhões de pessoas necessitam em todo o país e desenvolver um projeto efetivo a longo prazo para solucionar esta crise”, concluiu.

O decreto, publicado oficialmente nesta semana, estabelece que as pessoas que trabalham em empresas públicas e privadas podem ser convocadas a trabalhar em organizações estatais especializadas na produção de alimentos.

Além disso, estabelece que esses empregados deverão trabalhar temporariamente nessas companhias por um mínimo de 60 dias e seus “contratos” poderão ser renovados automaticamente por um período extra de 60 dias ou retornarão a seus trabalhos originais.

O problema do desabastecimento de produtos básicos na Venezuela começou há pouco mais de três anos e foi se agravando com a passagem dos meses.

(Com EFE)

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here