Cura da tuberculose está ligada ao diagnóstico precoce

A tuberculose é uma doença infecciosa transmitida pelo ar que afeta principalmente os pulmões e, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), atinge um terço da população em todo o mundo. O diagnóstico precoce é fundamental para aumentar as chances de cura e para evitar a proliferação da doença.

No Amazonas, 790 casos foram identificados até abril deste ano segundo dados da Fundação de Vigilância Sanitária (FVS). De acordo com a coordenadora do Programa Estadual de Combate à Tuberculose no Amazonas, Marlúcia Garrido, todas as unidades do sistema público de saúde do Estado estão aptas para o diagnóstico da doença, o chamado Teste Rápido, que dura, no máximo, duas horas.

Marlúcia Garrido explica que a melhor maneira de prevenir novos casos é ter o diagnóstico precoce e alerta que o tratamento deve ser seguido à risca pelo paciente, sem interrupção da medicação, para assegurar a cura.

“As melhores medidas de prevenção é, no caso dos bebês, a vacina BCG logo ao nascer. Nos adultos, é descobrir quem está doente e tratá-lo para que não haja mais pessoas infectadas. A tuberculose cura com seis meses, mas é preciso fazer o tratamento corretamente. O paciente não pode parar de tomar os remédios por conta própria, mesmo que haja melhora. Se a pessoa não faz o tratamento completo ela cria resistência aos antibióticos e pode virar um incurável e transmitir para outras pessoas. A doença leva a morte quando não tratada”, disse.

Marlúcia Garrido ressalta que é preciso haver apoio em casa, auxiliando na recuperação do paciente. “A família é importante no tratamento. Ela não deve segregar as pessoas com tuberculose e sim dar apoio para que o paciente siga o tratamento”.

A transmissão – Na maioria dos casos, a infecção ocorre a partir da inalação de gotículas expelidas pela tosse, fala ou espirro de pessoas com tuberculose ativa de vias respiratórias. A “porta” de entrada da doença são os pulmões, mas ela também pode se espalhar pelo corpo (limiar) ou a bactéria se aloja na pele (cutânea).

Segundo a FVS, 85% dos casos de tuberculose no Estado ocorrem no pulmão e os sintomas mais comuns são: tosse: cansaço e perda de peso.

Referência no Amazonas – Em Manaus, a policlínica Cardoso Fontes é referência estadual para o tratamento e diagnóstico. No local, os pacientes recebem toda a medicação de forma gratuita e assistência médica necessária para o tratamento.

“Eu tinha um cansaço que nem conseguia andar. Agora estou fazendo o tratamento há um mês. Tive o diagnóstico quando fiz uma biópsia, mas estou melhor já. A doença tem cura, basta se tratar”, diz um paciente que preferiu não ser identificado.

A diretora da policlínica, Irineide Assunção, afirma que o aumento do número de casos era esperado por conta do maior acesso ao diagnóstico.

“Todas as unidades estão fazendo o Teste Rápido. Se você tem tosse há mais de três semanas procure a unidade mais próxima de sua casa e faça o teste rápido. Foi criada uma série de estratégias para que o paciente tenha acesso a esse diagnóstico em todos os 62 municípios. Além disso, temos o comitê de combate à tuberculose  em que a sociedade civil participa e nós estamos socializando a informações e as pessoas estão procurando tratamento. Com isso houve um aumento no número de casos, mas isso será estabilizando”, explica.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here