“CPI da Telefonia” constata que municípios amazonenses ficam mais de 48 horas sem serviço

telefonia-no-brasil

Em apenas dois dias de trabalho na Região Metropolitana de Manaus (RMM), a “CPI da Telefonia” percorreu três municípios e constatou que, apesar de estarem próximos à capital amazonense, as cidades estão isoladas em função da precariedade dos serviços ofertados pelas operadoras de telefonia (fixa, móvel e internet). Em Iranduba e Novo Airão, por exemplo, os serviços de telefonia móvel e internet chegam a ficar suspensos por mais de 48 horas.

As visitas ao interior e a realização de audiências públicas da CPI tiveram início na última quinta-feira (12) nas cidades de Novo Airão e Manacapuru. Na sexta-feira (13), a comissão esteve em Iranduba. Os dados e informações coletados servirão de subsídios para a elaboração do relatório final da “CPI da Telefonia”.

Em Novo Airão, a primeira a ser visitada pela CPI, foi constatado que o município estava há dois dias sem sinal de telefonia móvel e internet. Durante a audiência, realizada no plenário vereador Edson Bezerra de Vasconcelos da Câmara Municipal, vereadores, comerciantes, secretários municipais e a população em geral relataram os problemas causados pela precariedade dos serviços de telefonia. “Trabalho na área da saúde e estou enfrentando problema para agendar uma consulta a um paciente nosso que está bastante debilitado, sem comunicação é muito complicado. Estamos há dois dias totalmente isolados,”afirmou a funcionária pública municipal Elizete Corrêa Lima, 48.

Na cidade de Manacapuru, o plenário vereador Cristóvão Nunes Mendes da Câmara Municipal ficou lotado de populares e contou com a participação de representantes da sociedade civil, entidades de classe e vereadores. “Temos dificuldades em pagar as nossas contas. Geralmente, pagamos as nossas contas com juros devido à ausência do sistema de internet”, afirmou Nazareno Barroso Silva Filho, morador da cidade. A maioria dos vereadores participou da audiência e relatou os problemas enfrentados pelos comunitários.

A 25 quilômetros de Manaus, Iranduba sofre com a precariedade dos serviços de telecomunicação. Os moradores afirmam que se sentem isolados, pois há dias em que nenhuma operadora funciona. Além disso, comunidades como o Lago do Limão, com 4 mil habitantes, não possui, sequer, sinal móvel de telefone.

O único prefeito que participou das audiências foi o de Iranduba, Xinaik Medeiros. “A prefeitura, assim como todos as secretarias, estão à disposição dos membros da CPI para  ajudar a solucionar esse problema, o qual traz atraso ao nosso município”, enfatizou o prefeito.

Para o presidente da CPI, deputado estadual Marcos Rotta (PMDB), a visita aos municípios foi bastante produtiva, pois todas as informações coletadas servirão de subsídios para a elaboração final de um relatório, o qual será encaminhado – junto aos relatórios das demais 18 assembleias que também estão realizando CPI – ao Congresso Nacional, que  tem competência para mudar  a legislação vigente. “Demos início às visitas pela cidade de Novo Airão, onde, logo na chegada, constatamos que a cidade estava há 48 horas sem nenhum sinal de telefonia móvel e internet, o que é um verdadeiro absurdo. Isso demonstra a falta de respeito da operadora com os clientes. Afinal de contas, nem há aviso sobre a interrupção dos serviços e muito menos uma justificativa”, ressaltou Rotta, ao comentar que há relatos de pessoas que precisam percorrer até 3 quilômetros para ter acesso ao sinal do celular. “Como nas comunidades não há telefonia fixa. A saída dos comunitários é tentar alcançar o sinal do celular, nem que para isso tenha de percorrer quilômetros de estrada. Infelizmente esse é o cenário da telefonia no interior do Estado”, lamentou o parlamentar.

A partir de amanha (16), a “CPI da Telefonia” dá continuidade às audiências públicas nas cidades de Rio Preto da Eva, Presidente Figueiredo, Autazes e Careiro Castanho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here