Casamento coletivo em presídio oficializa união de 18 casais

casamento-coletivo-presidios-01A possibilidade de dar o primeiro passo rumo a um futuro melhor foi o que levou 18 casais a oficializarem a união no primeiro casamento coletivo do sistema prisional em 2015. A celebração civil promovida pelo Governo do Estado, por meio das Secretarias de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), aconteceu no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), na tarde de ontem, com direito a buffet, fotos de lembrança para o casal e a presença de familiares.

Para os noivos e autoridades presentes, o casamento é fundamental para ajudar na recuperação dos detentos. O titular da Seap, Louismar Bonates, participou da cerimônia e também lembrou a importância da união para que os futuros egressos do sistema prisional não retornem ao mundo do crime. “A família é a base de tudo e, a partir desse momento, os detentos estão assumindo um compromisso de mudar de vida com suas mulheres, seus filhos, suas famílias e com toda a sociedade”, lembrou.

casamento-coletivo-presidios-02Bonates ressaltou ainda que os internos que manifestaram o interesse no casamento coletivo devem servir de exemplo aos outros. “Nesse trabalho, precisamos de pessoas que motivem as outras a serem melhores e vocês podem servir de exemplo aos colegas de vocês”. O projeto ‘Reconstruindo Vidas’, da Seap, é parte do programa ‘Todos pela Vida’, do Governo do Amazonas. O último casamento coletivo realizado no sistema foi em dezembro do ano passado.

Os noivos receberam a certidão de casamento, alianças, lembrança do casamento e parte da ornamentação, tudo sem custos para eles. A Sejusc foi uma importante parceira para que a cerimônia correspondesse às expectativas dos noivos. A secretária Graça Prola disse que o casamento coletivo é mais uma forma de garantir os direitos humanos às pessoas privadas de liberdade. “Nós trabalhamos na perspectiva de que a partir da relação legalizada eles terão facilidades na hora de resgatar direitos enquanto cidadão e mais facilidade na visita interna e a própria ressocialização do preso”, disse.

casamento-coletivo-presidios-03Esperança no futuro

As histórias dos 36 noivos e noivas se confundem quando a questão é a importância de celebrar o casamento. Todos têm ideias e objetivos semelhantes que visam, principalmente, a reintegração na sociedade.

Para o detento Márcio André Soares, 37, que há três anos e quatro meses cumpre pena por roubo, o casamento representa a esperança em um futuro diferente. Na ocasião, Márcio decidiu oficializar a união de 15 anos com a mulher. “Tenho esperança de que vou cumprir minha pena e poder sair daqui pronto para cuidar da minha família que agora eu aprendi que é mais importante”.

casamento-coletivo-presidios-04A agora esposa de Márcio, Fernanda Patrícia Oliveira, disse que por anos teve vontade de celebrar a união, usar o vestido de noiva e compartilhar o momento com a família. “Nunca tivemos muitas condições, mas agora estamos conseguindo e, o mais importante, agora ele sabe a necessidade de voltar para a nossa família”.

Diferente de Márcio e Patrícia, Elizângela Rocha, 30, nunca viveu com o novo marido. Ela já conheceu o marido dentro do presídio, quando foi visitar um conhecido. Segundo ela, mesmo com apenas um ano e oito meses juntos ela decidiu pelo casamento por acreditar que pode ajudar Levy da Silva, que cumpre pena por homicídio e roubo. “Eu fico muito feliz e agora vamos ficar juntos, vamos levar como dá, com as visitas uma vez por semana, mas não vou desistir”, afirma.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here