Casamento coletivo de mais de 100 casais no Careiro Castanho

Os casais participaram de encontros e oficinas com temas variados
O casamento coletivo foi organizado pela Seas, em parceria com o cartório do município e TJ-AM
O casamento coletivo foi organizado pela Seas, em parceria com o cartório do município e TJ-AM

O Governo do Estado realizou nesta sexta-feira (23), no município do Careiro Castanho (a 110 quilômetros de Manaus) o casamento coletivo de 117 casais. A cerimônia contou com a presença da presidente de honra do Fundo de Promoção Social e primeira-dama do Estado, Edilene Melo, que estava acompanhada da secretaria de Estado de Assistência Social, Regina Fernandes, do presidente da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), Josué Neto, do prefeito da cidade, Amilton Vilar, do juiz Elci Simões, representando o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) e demais autoridades.

Realizado no Ginásio da Praça da Juventude Manoel Sales dos Santos, o casamento coletivo foi organizado pela Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), em parceria com o cartório do município e TJ-AM. Em novembro de 2013, foi realizado o primeiro casamento coletivo do município, com a presença de 50 noivos.
Muitos casais não tinham condições financeiras de dar entrada nos documentos necessários para o casamento
Muitos casais não tinham condições financeiras de dar entrada nos documentos necessários para o casamento

A Seas disponibilizou para as noivas serviço de embelezamento, com cabeleireiros e maquiagem, além de apoio logístico e organização do evento junto com o cartório. A primeira-dama, Edilene Melo, falou aos noivos sobre o que é importante para o sucesso de um casamento. “O casamento é amizade, companheirismo, parceria, dedicação. O casamento é uma rua de mão dupla, onde se dá e se recebe sempre”.

A juíza Sabrina Ferreira, responsável pela realização da cerimônia, explicou a importância desse tipo de evento para as pessoas envolvidas. “Nós sabemos que por mais que a união estável garanta alguns direitos, o casamento facilita, caso necessite pleitear algum tipo de direito, e, como pela Lei e pela nossa Constituição a família recebe essa proteção do Estado, isso que está acontecendo é muito importante”.

"O casamento é uma rua de mão dupla, onde se dá e se recebe sempre", destacou Edilene Melo
“O casamento é uma rua de mão dupla, onde se dá e se recebe sempre”, destacou Edilene Melo

A juíza ressaltou que houve uma intensa procura, desde o anuncio da realização do casamento no mês de abril, e destacou que muitos casais não tinham condições financeiras de dar entrada nos documentos necessários para o casamento, já que as custas giram em torno de R$ 200, e que por isso não oficializavam a união.

Casais – No salão onde aconteceu o casamento, era possível encontrar casais de todas as idades. Alguns estavam casando pela primeira vez, enquanto outros oficializavam a união existente há tempos. Entre os casais mais idosos, estavam Raimunda de Souza, 61 anos, e Gerson de Souza, 82 anos, casados há 22 anos e que, finalmente, puderam oficializar a união.

Moradores da comunidade do Purupuru, que fica a duas horas de ônibus da sede do Careiro Castanho, o casal não escondia a emoção pelo momento. Raimunda explicou que precisou esperar tanto tempo para o casamento, pois precisou esperar pelo divórcio do seu primeiro casamento. O noivo, bastante emocionado, falou sobre a experiência. “Eu estou muito emocionado. Ela esteve sempre ao meu lado e sei que os tempos difíceis passaram e tenho certeza que nós vamos seguir juntos até o fim”.

Quem também aproveitou a oportunidade para oficializar a união de 20 anos foi o casal Maria Pereira, 39 anos, e José Silva, 44 anos. A noiva conta que a data é duplamente especial. “Eu fiz uma promessa de que se eu encontrasse o amor da minha vida, eu casaria com ele quando completasse 20 anos juntos e aconteceu de ser justamente no dia do meu aniversário. Não poderia estar mais feliz”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here