CARNAVAL, CULTURA E EDUCAÇÃO INTEGRAL

A demonização do carnaval é histórica. No entanto, as manifestações populares no Brasil ganham corpo nas ruas mobilizando milhões de foliões animados pelo rito das artes e da alegria contrariando os poderosos e os fundamentalistas ortodoxos. A explosão do carnaval ecoa nas ruas, nos lares e nos salões como um processo estruturante de nossa cultura caracterizada pela diversidade de valores e linguagens que imprimem especificidade do nosso modo de pensar, sentir e agir numa perspectiva social e pública. A indústria cultural de toda forma tenta se apropriar deste bem agregando produtos e serviços com retorno rentável a sua matriz econômica. Também se registra os picaretas que de modo perverso buscam mercantilizar a alegria popular reduzindo o publico aos seus interesses familiares e patrimoniais no estilo dos coronéis de barrancos do sertão da Amazônia.

E AS POLÍTICAS CULTURAIS: Na ditadura, os governos militares tentaram controlar com mão de ferro as manifestações populares, sobretudo, “os blocos de sujos” que de forma anônima vinham às ruas com críticas políticas e morais provocando a ira da censura de bota, armada com baionetas e fuzis semeando o medo e o terror com objetivo de controlar e dominar nossa gente. Fizeram isto com o carnaval e também estenderam seus tentáculos draconianos ao futebol, inclusive, na seleção brasileira. Destas medidas autoritárias é que resulta os tais desfiles – as marchas – das Escolas de Samba, subordinadas as ordens dos ditadores. Contudo, contrariando a vontade das armas, os compositores das Escolas se rebelavam rimando “alhos com bugalhos” deixando os censores malucos a babar de raiva. É desta época que se tem notícia do chamado “samba do crioulo doido” manifestação poética que os compositores das alas faziam somente pra sacanear com o regime.

A GRANDE SACADA DE BRIZOLA: Em seu primeiro governo no Rio de Janeiro (1983-87), Leonel Brizola e o professor Darcy Ribeiro, enquanto vice-governador, seguindo as diretrizes de Getúlio Vargas, resolveu investir na Cultura, nas Artes e na Educação como motor das políticas de desenvolvimento humano. Com esta determinação é que o Sambódromo da Marquês de Sapucaí mais os CIEPS – Centros Integrados de Educação Pública – foram concebidos e criados pelo renomado arquiteto Oscar Niemeyer. Desta feita, resgata-se a unidade política entre Educação, Cultura e Saúde formulando estratégias e metas visando o empoderamento das Escolas de Samba e a implantação do projeto político pedagógico da Educação Integral e da Escola de Tempo Integral bem no estilo do professor Anísio Teixeira, cuidando do afetivo, do intelecto e da saúde das crianças e jovens filhos dos trabalhos que moravam nas favelas da Cidade Maravilhosa. Nos CIEPS os alunos tinham acesso às novas metodologias de aprendizagem, alimentação completa, prática de esportes, de leitura e tratamento odontológico sob a regência de profissionais de educação e saúde formados e alocados nas escolas em regime de tempo integral. Destaca-se ainda a construção do espaço-tempo escolar ampliando as oportunidades e as novas aprendizagens. A Educação Integral é propositiva centrada nas práticas reflexivas tanto na escola como nas relações sociais e de trabalho. Se no governo Brizola foi possível fazer por que no Amazonas, o Governo e a Prefeitura não inauguraram até hoje nada parecido. A Reino Unida da Liberdade bem que poderia ser piloto de tal projeto, considerando que tem as condições materiais e imateriais para realiza-lo em atenção às crianças e jovens da Zona Sul de Manaus. Não havendo apela-se para força dos comunitários, que no exercício de seu Direito possa lutar pela Educação em Escola de Tempo Integral como política de Estado.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here