Carijó leva reivindicação de PCCV de servidores ao prefeito de Manaus

(Foto: Divulgação)

Neste final de semana, o secretário extraordinário da Prefeitura de Manaus, Luiz Alberto Carijó, vai detalhar ao prefeito Artur Virgílio Neto a reivindicação dos servidores municipais da área não específica sobre o Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos (PCCV) da categoria. O compromisso foi firmado na sexta-feira (8), em reunião entre Carijó e os membros das associações dos Servidores Efetivos do Município de Manaus (Asemm) e dos Guardas Municipais de Manaus (Agmman), e do Sindicatos dos Guardas Municipais do Estado do Amazonas (Sindguarda-AM). Também participaram do encontro o secretário e subsecretário de Administração, Planejamento e Gestão (Semad), Lucas Bandiera e André Santiago, respectivamente.

“Serão apresentados ao prefeito os números da planilha que compõem o PCCV, assim como a análise do impacto no orçamento municipal que demonstra a plausibilidade do plano”, destacou o presidente da Asemm, Lúcio Rocha. “A partir dessa conversa, acontecerão outros encaminhamentos envolvendo as áreas de administração e finanças do município. A conversa foi muito positiva”, destacou Rocha.

Na sua participação na reunião, o secretário Lucas Bandiera afirmou que o impacto do PCCV no orçamento é assimilável. Também adiantou que já está em estudos o percentual de reajuste da data-base da categoria, que acontece em março, uma conquista do funcionalismo no final de 2017 e que começou a vigorar no ano passado. “Só tivemos um único reajuste, que ainda está longe de fazer a devida reposição salarial, mas para quem passou quase uma década sem nenhum reajuste, ter uma data-base é uma conquista fundamental”, lembra Rocha.

Entre os pontos levantados pelas associações e o sindicato na reunião desta sexta-feira sobre a necessidade do plano, está a  desmotivação dos servidores com a progressiva perda salarial ao longo do anos. “Como exemplo, citamos os mais de 270 profissionais da Secretaria Municipal de Infraestrutura, o carro-chefe da administração municipal, que analisam e fiscalizam contratos de milhões de reais, mas ganham no máximo 3 mil reais, tendo como salário-base R$ 446,42”, lembra Rocha.

Conforme o presidente de Asemm, a categoria vai aguardar o retorno de Carijó para definir os próximos passos da associação. “Estamos bastantes confiantes em um resultado positivo dessa reunião, uma vez que o secretário Carijó disse que vai se empenhar para que o PCCV se torne uma realidade”.

Também estiveram presentes à reunião a vice-presidente e a secretária da Asemm, Dinah Teixeira e Wilcileine de Sá, respectivamente, e os presidentes Domingos Torres, do Sindguarda-AM, e Ednei Castilho, da Agmman.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here