Bastidores da corrida presidencial da ALEAM revelam o jogo de ganâncias para 2020

(Foto: Divulgação)

À medida em que se aproxima o dia da disputa nas urnas, 1º de fevereiro, os bastidores da barulhenta eleição visando a renovação da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALEAM) mostram o clima de empolgação de alguns, beligerância de outros, entre os grupos que miram a batalha municipal de 2020, de olho no cargo do prefeito Artur Neto (PSDB).

De um lado, o decano do Poder Legislativo Estadual, deputado Belarmino Lins (PP), fechado em copas, articulando calado e, segundo informações, mais ativo do que seu principal adversário, deputado Josué Neto (PSD), é capaz de imaginar. Fontes revelam que Belão, com habilidade e matreirice, já teria invadido a seara de 15 votos anunciados por Josué e feito um estrago que pode surpreender na reta final do processo eleitoral. Aos 73 anos, Belão esnoba fôlego, acorda cedo e dorme tarde. Um perigo como articulador.

Do outro lado, Josué Neto continua a se movimentar como um leão no Restaurante Miako, localizado na Avenida Rio Jutaí, Nº 7, bairro Nossa Senhora Das Graças, Zona Centro-Sul de Manaus. É lá que iniciou o seu jogo de articulações buscando apoios à candidatura a presidente da Ale-Am, objetivo que ele persegue pela terceira vez, com as bênçãos do senador Omar Aziz (PSD), seu padrinho político.

De propriedade do deputado Augusto Ferraz (DEM), o Miako funciona como um autêntico comitê de campanha eleitoral onde Josué seduziu os novos deputados eleitos em 7 de outubro e onde cria estratégias para travar seu poderoso rival Belão, e crescer cada vez mais na encarniçada disputa. Filho do conselheiro Josué Filho, ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), Neto é outro que quase não dorme na refrega, consciente de que, a esta altura do certame, quem sequer cochilar perde o jogo de fevereiro.

Interesses de Omar Aziz

Evidente que na disputa eleitoral da Aleam há o dedo do senador Omar Aziz, presidente regional do PSD. Aliados seus dizem que a ascensão de Josué Neto ao comando do Poder Legislativo Estadual é hoje uma questão de sobrevivência política para ele e sua esposa Nejmi Aziz, depois do fiasco de ambos nas urnas de 2018. Se Josué vencer, Omar terá em suas mãos a máquina da Aleam, azeitada por um fantástico orçamento de R$ 264 milhões. Esse seria um grande trunfo com que, certamente, o senador poderia jogar seu xadrez político com o governador Wilson Lima (PSC) e o prefeito Artur Neto com vistas ao campeonato municipal de 2020.

Jogo de Wilker Barreto

Nos bastidores do Legislativo rolam boatos de que o deputado eleito Wilker Barreto (PHS) estaria disposto a ficar fora da Mesa Diretora que está sendo costurada por Josué. Livre, sem amarras aparentes com ninguém, ele procuraria ser ousado na tribuna. Primeiro, faria forte oposição ao prefeito Artur e, depois, conforme as conveniências, não descartaria tamborilar contra o jovem governador Wilson. O objetivo maior: sua candidatura à Prefeitura de Manaus com o apoio da máquina legislativa estadual, com as bênçãos de Josué e, quem sabe, Omar.

Dilema de Wilson Lima

Claro que apesar de mostrar neutralidade, Wilson Lima está de olho, sim, no processo eleitoral da Ale-Am, até porque precisa construir uma bancada de parlamentares que lhe dê segurança e governabilidade, para não ser surpreendido, por exemplo, pelos erros cometidos por seu antecessor, Amazonino Mendes, que chegou a amargar revezes acachapantes no Plenário Ruy Araújo por não possuir maioria de dois terços (dezesseis deputados) para barrar PECs (Propostas de Emenda Constitucional) incômodas.
Assessorado pelo vice-governador Carlos Almeida (PRTB) e pelo deputado Luiz Castro (Rede), considerados seus gurus políticos mais chegados, Wilson deve estar analisando o delicado quadro, atento para não deixar a credibilidade do seu governo patinar sob a pressão de grupos despreparados, inexperientes e gananciosos. Neste momento, vale, então, pensar com realismo, para não ter que beber Cicuta em 2020 ou 2022.

Neto Conselheiro

Dos bastidores do processo sucessório da Aleam ecoa, ainda, um grande falatório envolvendo a vaga do conselheiro Josué Filho, que em 2020 completará 75 anos, tendo que vestir o roupão da aposentadoria. Quem abocanhará a vaga vitalícia do TCE, que pertence ao Poder Legislativo ? Nos corredores da Casa, os servidores falam no nome de Josué Neto, o qual, caso vire presidente do Poder, seria o indicado para substituir o pai. Se isso acontecer, a disputa presidencial da Aleam para o biênio 2021/2022 seria, com toda a certeza, bastante voraz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here