Barco movido a energia solar é desenvolvido na Amazônia

Imagem: Reprodução

Alunos do Campus Tucuruí da Universidade Federal do Pará criaram o Projeto Muiraquitã com o objetivo de desenvolver um barco movido a energia solar para reduzir a poluição de rios e mares. Com esse projeto, em 2019, a equipe ficou em 3° lugar na Mostra de Ciências e Tecnologias (Mocitec), o que qualificou os alunos a participarem do Desafio Solar Brasil 2020 (DSB), que ocorrerá no período de 27/1 a 2/2/2020, em São Francisco do Sul (SC), e do Congresso “Ciencia e Vida”, a ser realizado na Argentina.

A Equipe Muiraquitã é um projeto de extensão da UFPA Campus Tucuruí que reúne acadêmicos de diversos cursos da área de Engenharia (Mecânica, Elétrica, Computação, Civil), entre outros. O projeto surgiu em 2016, quando os alunos se reuniram para desenvolver um barco sustentável, movido a energia limpa, para participar da competição ‘Desafio Solar Brasil’. Esse desafio é um rali de barcos movidos a energia solar que visa estimular o desenvolvimento de tecnologias para fontes limpas de energias alternativas e divulgar o potencial dessas tecnologias.

Por meio do Projeto Muiraquitã, o intuito dos estudantes é levar até a comunidade ribeirinha da região de Tucuruí a tecnologia de energia solar e ensiná-los a utilizar esse meio limpo de locomoção em suas embarcações.

“Com a escassez cada vez maior de combustível fóssil e a preocupação com o meio ambiente é muito importante que estejamos cada vez mais atentos. É nossa obrigação com a natureza buscar formas sustentáveis, que não agridam o meio ambiente”, explica Micilene Bastos, líder do projeto.

Trajetória

No ano de 2019, os alunos participaram da Feira de Ciências do município de Abaetetuba (Feicima) e da Mostra Ciências e Tecnologias dos Jovens Pesquisadores do Pará (Mocitec Jovem), quando conseguiram ganhar em terceiro lugar na categoria “Engenharia” e receberam algumas credenciais para participar da Exposição de Ciências, Engenharia, Tecnologia e Inovação (Expoceti), que será realizada em Pernambuco, em 2020. Além disso, ganharam uma credencial para participar do Congresso Internacional ‘Ciencia y Vida’, que acontecerá na cidade Entre Rios, na Argentina (WIFA), e do Desafio Solar Brasil 2020 (DSB), que ocorrerá em Santa Catarina.

“Ao longo de anos, realizamos as pesquisas e conseguimos, com muito esforço, chegar ao patamar mais alto, que é participar da competição nacional e, agora, internacional. Logo este será um gás a mais para a equipe levar muito mais adiante esse projeto inovador, beneficiando, assim, a sociedade como um todo”, afirma Micilene Bastos.

Para participar da competição do Desafio Solar Brasil 2020 (DSB), os estudantes estão fazendo uma campanha para arrecadar fundos objetivando comprar os materiais necessários para o evento. Os discentes também estão à procura de parceiros que possam ajudar na compra desses equipamentos, que são obrigatórios para a competição.

fonte: PORTAL AMAZÔNIA

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here