Mundo

Ataque extremistas deixa ao menos 41 mortos em Burkina Faso

Soldados do governo em Burkina Faso FOTO: AFP

O presidente de Burkina Faso, Roch Marc Christian Kaboré, declarou luto nacional de dois dias a partir de domingo (26) após a morte de 41 pessoas, incluindo civis e auxiliares do exército, em um ataque executado por supostos extremistas na quinta-feira na região norte do país.

“A missão de rastreamento na área da emboscada executada por grupos terroristas armados contra uma coluna de Voluntários para a Defesa da Pátria (VDP) e civis em 23 de dezembro (…) estabeleceu o balanço de 41 mortos”, afirmou o porta-voz do governo, Alkassoum Maiga, em um comunicado.

“O presidente declara um luto nacional de 48 horas”, acrescenta o texto. Em sua luta contra os grupos extremistas, o exército de Burkina Faso, mal equipado, se apoia nos VDP, auxiliares civis com treinamento de apenas 15 dias e que pagam um preço elevado na luta antijihadista.

O presidente já havia prestado homenagem na sexta-feira, 24, a Ladji Yoro, considerado um líder dos VDP, que morreu no ataque.

O governo informou que continua com o processo de identificação das vítimas e que condena “de maneira veemente a barbárie”. De acordo com a imprensa de Burkina Faso, uma emboscada dos extremistas na quinta-feira atacou um comboio de comerciantes, escoltado pelos VDP, no norte do país.

Este ataque foi o mais violento no país desde o atentado de Inata (norte), em novembro, quando 57 pessoas, incluindo 53 policiais, foram assassinadas, o que provocou a revolta da população e levou o presidente do país a mudar o ministério.

Assim como os vizinhos Mali e Níger, Burkina Faso sofre com uma espiral de violência desde 2015, atribuída a grupos armados vinculados à Al-Qaeda e ao grupo Estado Islâmico. Pelo menos 2.000 pessoas morreram e 1,4 milhão foram obrigadas a abandonar suas casas. Os ataques contra civis e militares são cada vez mais frequentes, sobretudo no norte e leste do país.

*Com informações da AFP

 

Deixe um comentário