Aplicação de emendas impositivas contra a Covid-19 começa pelos profissionais de saúde

Foto: Robervaldo Rocha/CMM

Médicos, enfermeiros e outros profissionais bolsistas serão os primeiros a receber os benefícios do saldo das emendas impositivas, destinadas pelos vereadores ao orçamento do Executivo, no combate ao novo coronavírus. A medida foi anunciada nesta quarta-feira (1º) pelo titular da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Marcelo Magaldi, durante a Tribuna Popular realizada pela Câmara Municipal de Manaus (CMM), para atualizar a população dos procedimentos emergenciais tomados pelo poder público em relação à pandemia.

O valor aproximado das emendas impositivas disponibilizadas é de aproximadamente R$ 9 milhões. O recurso começa a ser usado agora em abril, para os bolsistas, como reforço das equipes médicas no atendimento da população.

A Tribuna Popular durou mais de quatro horas e foi coordenada pelo presidente da Câmara, Joelson Silva. O parlamentar considerou positiva a iniciativa da Semsa, de priorizar também os técnicos de saúde, que lidam diretamente com o problema. Desde a semana passada, Joelson tem conversado com cada um dos vereadores e conseguido a adesão deles, na aplicação exclusiva da dotação orçamentária, em benefício das ações realizadas por Estado e Município na capital amazonense.

“Esses anjos da vida estão envolvidos de corpo e alma no combate a esse mal. Nada mais justo do que valorizá-los e assisti-los nesse momento”, observou o presidente da CMM.

De acordo com a Semsa, também já estão em andamento todos os processos para uma rápida aquisição e dispensa de licitações para aquisição de Equipamento de Proteção Individual (EPI) – destinado a todos os profissionais da área da Saúde –, além da aquisição de 25 mil testes rápidos. O secretário tem colocado à frente das prioridades, os materiais mais urgentes na aquisição, na sequência de autorização dos recursos.

Projeções

Apesar do empenho de todos os lados, Marcelo Magaldi alertou que as projeções não são nada favoráveis em relação ao controle da doença. Com base em dados estatísticos, ele adiantou que, nos próximos 45 dias, os dados no número de casos vão continuar em ritmo crescente. Após esse período, esse crescimento deverá ficar numa taxa mais baixa, porém, permanecendo assim até 80 dias.

“Considerando o que aconteceu na China e em outros países, a partir do 46º dia vamos crescer em taxas decrescentes. A projeção é que em 80 dias vamos estabilizar na curva e, depois disso, entrar na fase decrescente, para diminuir o quadro estatístico. Quero pedir a ajuda de vocês (vereadores) pela manutenção do isolamento social, dos cuidados de manter a distância de dois metros. Eu, por exemplo, não estou atendendo mais ninguém na minha sala. O vírus é muito poderoso, e capaz de se multiplicar de forma muito rápida”, advertiu Marcelo Magaldi.

A orientação, neste momento, segundo o secretário, é evitar aglomerações também nos hospitais. A secretaria trabalha para que o Hospital Delphina Aziz fique apenas com atendimento de pacientes com o novo coronavírus, com o restante sendo remanejado para o Hospital Universitário Getúlio Vargas.

“Apesar do coronavírus, não podemos esquecer que temos os diabéticos, os cardiopatas e outros, para trabalhar na prevenção. Oitenta por cento das pessoas que são portadoras podem receber os primeiros atendimentos nas UBS (Unidades Básicas de Saúde), para que tenhamos leitos suficientes aos demais”, ressaltou o secretário.

Para seguir a determinação do Ministério da Saúde (MS), cuja orientação é atender aos casos mais urgentes, Manaus tem atuado na atenção básica. Nesse sentido, o secretário lembrou que, de imediato e por meio do comitê criado com o governo do estado, realizou-se uma chamada de cadastro reserva para 70 técnicos de enfermagem e 35 enfermeiros.

“Nosso exército está em campo, não só fazendo investigação, mas também coleta de exames. Somente do Ministério da Saúde foram abertas 74 vagas do Programa Mais Médico e, na última segunda-feira (30), concluímos um edital para contratar mais profissionais”, ressaltou Magaldi.

Casos

Nesta quarta-feira, Manaus chegou ao 21º dia, desde que o primeiro caso de coronavírus foi registrado na cidade, em 13 de março. Até o fim da manhã, o número oficial de casos chegava a 179, somente na capital amazonense.

Macelo Magaldi citou o período sazonal de inverno no Estado como favorável ao avanço do contágio de vírus diversos nas pessoas. Somente no ano passado, aproximadamente 1,9 mil de cidadãos foi incluído nesse contexto. O grande gargalo na atenção está centrado na criação de novos leitos em UTIs, ampliação de respiradores, entre outros.

“Não há falta de EPI hoje. Temos máscara cirúrgica, avental, álcool em gel, óculos de proteção… A preocupação, agora, é com a reposição desse estoque, com a capacidade que os fornecedores tenham para fazer essa reposição”, disse Magaldi.

Idosos

Outra preocupação da Semsa e parceiros é também com a vacina destinada aos idosos. Mais de 70 mil deles já foram vacinados contra a H1N1, sendo 50 mil dentro da própria casa e os outros 20 mil por meio do drive-thru. Sobre este último, a sugestão é fazer com que funcione em outros pontos da cidade, como o Sambódromo, por exemplo.

Teste rápido

Sobre a grande demanda referente ao teste rápido, Marcelo Magaldi informou que o Estado deverá receber mais material ainda no início deste mês. Em princípio, a disponibilidade e a aplicação dos mesmos devem ficar nas UBS.

“O Estado está confirmando a aquisição de trinta mil testes rápidos, que devem chegar até 10 de abril”, informou o titular da Semsa.

Comunicação direta

Por fim, Marcelo Magaldi informou que a Prefeitura de Manaus lançou uma ferramenta bastante didática, que pode ser acessada no site do Executivo (covid19.mamanu.gov.br), para tirar dúvidas da população em relação à pandemia, com a participação direta de profissionais médicos, farmacêuticos, enfermeiros e assistentes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here