Alfabetização do Amazonas é debatida em Seminário na ALE

alfabetizaçao
Um amplo pacto pela Alfabetização no Amazonas que mobilize a sociedade, envolva todos os entes públicos ligados à Educação e que valorize e forme professores capacitados para este fim. Foi com esta proposta que o presidente da Comissão de Educação, Cultura e Assuntos Indígenas da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), deputado Sidney Leite (DEM), abriu o I Seminário sobre Alfabetização, Oralidade e Letramento no dia de ontem (16), no auditório “João Bosco”, na Assembleia. O Seminário tem como tema “Alfabetização – A que temos e a que queremos ter”.
Para Sidney Leite a discussão sobre a Alfabetização precisa levar em consideração a realidade das comunidades rurais e indígenas e o outro ponto a ser tratado com a devida importância é a valorização e a formação dos professores. “Na capital e no interior nós sabemos que em algumas localidades os professores trabalham com salas superlotadas e sem os mecanismos necessários para o Ensino de qualidade”, destacou. Ele defendeu o comprometimento de todos os órgãos ligados á Educação para reverter os atuais indicadores do Analfabetismo. “Em nível nacional, hoje pouco mais de 30% dos que concluem o Ensino Médio, são analfabetos”, afirmou.
A diretora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas (Faced/Ufam), professora e doutora Arminda Mourão, iniciou a programação de palestras do Seminário falando dos fatores externos e internos que orientam as políticas de Educação. “Externamente essas metas são definidas por organismos internacionais como Banco Mundial (Bird) e o Fundo Monetário Internacional (FMI). Internamente são os políticos e governantes que traça e promovem as decisões relacionadas à Educação”. A professora defendeu a democratização da Educação e a maior participação dos técnicos em todas as discussões que implicam na Alfabetização, a começar pelo espaço físico. “É preciso que as licitações e até o arquiteto que vai projetar a escola leve em consideração as opiniões dos técnicos”, afirma. Segundo Arminda Mourão, dessa forma os alunos terão um espaço adequado dentro das suas necessidades e de acordo com as orientações pedagógicas para um aprendizado mais eficiente. A professora também falou da questão da valorização dos mestres que passa por investimentos em formação, planos de carreiras e melhores salários.
A professora mestra Alina Leão Medeiros, pedagoga da Divisão de Desenvolvimento Profissional do Magistério da Secretaria Municipal de Educação (DDPM/Semed), apresentou dados sobre o trabalho da secretaria na formação dos professores. Atualmente estão em formação 13.655 professores em diversas ações da Semed para este fim.
Também participam do Seminário a vereadora e presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Vereadores, Terezinha Ruiz (convidada), a professora mestra da Faced/Ufam, Raiolanda Magalhães Pereira de Camargo e a professora mestra Ana Gláucia Claudino Ferreira do curso de Pedagogia da Faculdade Martha Falcão.
O Seminário de Alfabetização, Oralidade e Letramento continua pela tarde com previsão de encerramento para às 17h, quando serão feitos encaminhamentos a partir do que foi debatido. O documento com os encaminhamentos será levado ao conhecimento da Seduc e secretarias municipais de Educação de todos os municípios amazonenses, além der orientar as ações da Comissão de Educação voltadas para a Alfabetização.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here