ADAF abre novas barreiras de vigilância agropecuária no sul do AM

As três novas barreiras foram instaladas nos municípios de Novo Aripuanã, Apuí e Manicoré ─ Foto: Divulgação/ADAF

Em continuidade à execução das metas previstas no Plano Estratégico para o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre da Aftosa  (Pnefa 2017-2026) e às ações rumo a Área Livre de Febre Aftosa sem vacinação, o Governo do Amazonas, por meio da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), implantou três novas Barreiras de Vigilância Agropecuária (BVAs) nos municípios de Novo Aripuanã, Apuí (localizada no Distrito de Sucunduri) e Manicoré (na comunidade de Igapó Açu, na BR-319).

Com as novas barreiras, o Amazonas passa a contar com sete postos de fiscalização, sendo uma BVA no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus, uma em Jundiá (Roraima), uma em Parintins, uma em Humaitá e, agora nos municípios de Manicoré, Apuí e Novo Aripuanã.

Localizados de maneira estratégica, os três postos iniciaram na segunda-feira (27/04) as ações de fiscalização, com o objetivo de proteger a futura área livre de febre aftosa sem vacinação, no sentido de bloquear o trânsito de animais vacinados para dentro da área delimitada a partir dos 13 municípios do sul e do sudoeste do Amazonas, que fazem parte do Bloco I e que até 2021 poderão ser reconhecidos como áreas livres de febre aftosa sem vacinação.

Momento ímpar

O diretor-presidente da Adaf, Alexandre Aráujo, avaliou que é um momento importante para a defesa agropecuária nacional, devido o inicio dos trabalhos de controle de trânsito de animais, vegetais, produtos e subprodutos em três novos Postos de Fiscalização Agropecuária, para a proteção de nova Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação, composta pelos estados de Rondônia, Acre, parte de Mato Grosso e parte do Amazonas (Bloco I).

Ao todo, compõem o Bloco I da nova Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação 13 municípios do Amazonas – Apuí, Boca do Acre, Canutama, Humaitá, Lábrea, Manicoré, Novo Aripuanã, Pauini, Guajará, Envira, Eirunepé, Ipixuna e Itamarati – e parte de Tapauá. Os 13 municípios detêm mais de 65% do rebanho do Amazonas. Ao todo, são 1.020.096 cabeças de gado, entre bovinos e bubalinos. O Amazonas possui um rebanho total de 1.562.081.

Valorização

O secretário de Estado da Produção Rural, Petrucio Magalhães Junior, avaliou que os novos postos de fiscalização representam uma conquista sanitária muito importante para o Amazonas, uma vez que ações como essa, pelo cumprimento da meta, pode valorizar a produção de carne no Estado, inclusive até para exportação.

“Estamos fortalecendo a defesa agropecuária, visando o avanço do status sanitário do nosso estado como área livre de febre aftosa sem vacinação, com o que teremos nossa carne mais valorizada no mercado regional e com a possibilidade de exportação, pois temos na sub-região do estado um grande potencial, com áreas degradadas, logística, vocação natural e  cerca de 1 milhão de cabeças de gado com potencial de ampliação desse rebanho sem a necessidade de desmatamento”, destacou.

*Com informações da assessoria

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here