Ação conjunta retira ocupações irregulares no Loteamento Águas Claras

A área vem sendo alvo de invasores desde 2008
A área vem sendo alvo de invasores desde 2008
A área vem sendo alvo de invasores desde 2008

Uma ação conjunta, entre órgãos municipais e estaduais, realizou a retirada de seis ocupações irregulares existentes nas áreas de preservação permanente (APP) do Loteamento Nascentes das Águas Claras. Foram demolidas duas construções em alvenaria e quatro barracos de madeira, erguidas no final da Rua D8, do loteamento.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), com o apoio da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), Guarda Civil Metropolitana, Batalhão Ambiental da Policia Militar, Delegacia Especializada em Meio Ambiente e Implurb, conseguiu notificar outras 13 famílias que ocupavam barracos, determinando o prazo de dez dias para que saiam da área, sob pena de serem autuados em caso de descumprimento.

A área vem sendo alvo de invasores desde 2008. Moradores do loteamento agradeceram a ação dos órgãos e denunciaram os prejuízos gerados pelos invasores. Segundo eles, além dos danos ambientais causados à área, diversos problemas como ocorrência de assaltos, tráfico de drogas e casos de violência passaram a ser registrados no local após a ocupação irregular.

Foram demolidas duas construções em alvenaria e quatro barracos de madeira
Foram demolidas duas construções em alvenaria e quatro barracos de madeira

Fiscais da Semmas constataram a prática de crimes ambientais. Foram localizadas dezenas de focos de queimadas de grande proporção, alguns inclusive recentes, utilizados para abrir espaço permitindo o avanço da invasão, centenas de árvores cortadas e buracos cavados no chão para o despejo de dejetos (fossas), animais silvestres mortos e filhotes perdidos depois de sobreviverem às chamas. Diversos trechos do igarapé que corta a área foram aterrados para a construção de barracos.

Policiais da Delegacia Especializada em Meio Ambiente (Dema) deram início às investigações sobre a venda de lotes nas áreas invadidas e a prática dos outros crimes. Uma mulher, identificada apenas como Betinha, seria a responsável pelo comercialização de terrenos na invasão.

Técnicos do Departamento de Gestão Territorial e Ambiental da Semmas realizaram medições para a caracterização das áreas de preservação permanente e para a colocação de placas identificando a área como protegida e a proibição de ocupar, desmatar e descartar resíduos no local.

Foram notificadas 13 famílias que ocupavam barracos e terão prazo de dez dias para que saiam da área
Foram notificadas 13 famílias que ocupavam barracos e terão prazo de dez dias para que saiam da área

 

Desde 2008, os Loteamentos Nascentes das Águas Claras e Parque das Graças vêm sendo alvo da ação de grupos organizados de invasores que se utilizam das áreas verdes, áreas institucionais e até lotes particulares para promover ocupações irregulares. Para combater de forma efetiva o problema, este ano, a Prefeitura de Manaus, por meio do Gabinete de Gestão Integrada do Município, sob a coordenação do Gabinete Militar da Prefeitura de Manaus, decidiu instituir uma força-tarefa formada por diversos órgãos municipais e estaduais, com a finalidade de promover a desarticulação gradativa dos focos. Somente este ano, já foram realizadas mais de 50 demolições de ocupações ilegais na área dos dois loteamentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here